Arquivo mensal: julho 2011

Ser ou não ser…..twitteiro

Em primeiro lugar, muchíssimas gracias a minha querida Lu Ricas, pelo lindo convite de me incluir à la Alice das Maravilhas, nessa caixinha de supresas…para vocês que não me conhecem..#soumestrandaUFRJeadororedesociaisnaeducacao

Muito bem, no meio educacional ainda escuto muito especialistas feras que não entendem o Twitter, embora percebam o quão valoroso é se infiltrar nessa super rede de conteúdo. Acho que meu ídolo de apropriação desta ferramenta  é @plevy porque é um vanguardista sem fim, além de uma pessoa irrevogavelmente positiva..ele diz em Inteligencia Coletiva, que o mundo só existe, pela força do bem…uma vez que o mal é destruição….se predominasse não restaria nenhum robô para contar o fim da estória.

Então, retomo a visão hamletiana, que improviso aqui : ser ou não ser…. eis a questão: será mais fácil sofrer na alma pedradas e flechadas nas redes sociais, ou pegar em armas contra o mar de angústias e combatendo-o  dar-lhes fim..morrer dormir, só isso…

e então..o #tristefinal é muita gente interessante ao nosso redor que se inscreve no Twitter mas não contribui….um verdadeiro rehab: “tentam me empurrar pro twitter eu digo não não….”

Posso dizer que 70% do conteúdo da minha dissertação foi retirada de referências do Twitter. Usei como ferramenta de percepção (que inclusive foi comprada pelo Twitter), o Tweetdeck.

Um adendo: Nada contra o G+, somente acho que acabou se tornando uma cópia do Facebook. Percebo que suas vantagens são integrar com as outras ferramentas  “gloobgle” a estilo “canivete suiço” e a possibilidade de se comentar as mensagens de amigos, algo que não é tão de vanguarda, já existia em microblogs como o Plurk, por exemplo. Bem, confesso que ainda não me maravilhei não. A medida que encontrar algumas ideias “eureka” sobre o G+, compartilho com vocês. Até tem integrador entre o Twitter e o G+….(pessoal é rápido mesmo…)

Só de e-books coletei uma variedade no Twitter, saídos fresquinhos da “prensa virtual” (a maioria creative commons, um luxo)…

Fica a dica, para aqueles professores que não se embrenharam ainda no mundo do microblogs…mantenha uma lista de amigos (aqueles que nós seguimos, nossos ídolos) de 100 a 140 pessoas no máximo. Revise com frequência sua lista de  seguidores, porque de vez em quando surgem uns parasitas spams com fotos sensuais…delete-os.

Identifique um tema de que goste e que possa contribuir com “a sua cara, do seu jeito”… pois a reputação na rede é fundamental…nada de ser lurker (“arroz de festa” rsrsrs). Compartilhe menos seu dia-a-dia e mais informações ou dicas que são relevantes para você…e para usar em sala de aula, que tal o Edmodo?, uma rede social que você pode configurar sua turma e trabalhar super bem lá!

Bom, esse foi um empurrãozinho de nada, nunca é tarde para o nosso auto-conhecimento socio-digital.

É isso ai! Até a próxima

e-Book: Para entender a Internet e as Mídias Sociais

Ao invés de sentir-se um “peixe fora d’água”, você, alguma vez, teve a impressão de que era um “peixe fora da rede”? Alguma vez teve a sensação de acordar após uma noite de sono qualquer e perceber que ficou para trás no tempo e no espaço? Sentiu vontade de perguntar por que a “revolução tecnológica” não foi televisionada?

Fique tranquilo, pois, certamente, você não é o único!

Muitos professores, alunos, empreendedores, comunicadores, desempregados, fofoqueiros, galanteadores e outros membros da sociedade civil não entenderam o motivo de tanta euforia em relação à internet e às mídias sociais. 

Além das dúvidas iniciais, surgem coisas que TODOS gostariam de saber, mas têm vergonha de perguntar: como muitos sites sobrevivem se quase tudo é grátis? Que papo é esse de realização profissional na rede? Qual a diferença entre blog e microblogging?

A dica é ouvir quem acordou mais cedo e fez a gentileza de preparar o café da manhã para os demais. Muitos e-books colaborativos estão sendo publicados e disponibilizados 100% free na web. Essa tem sido uma ótima maneira de reunir especialistas para discutir e compartilhar saberes sobre temas que ainda não possuem muitas referências.  O grande diferencial, nos e-books que indicarei, é a linguagem sintonizada a qualquer geração.

E-book: “PARA ENTENDER A INTERNET – NOÇÕES, PRÁTICAS E DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO EM REDE“, organizado por Juliano Spyer. A curiosidade deste e-book é que ele não possui editora, ficou pronto em 45 dias, foi lançado no dia 17/03, pelo Twitter, sem anúncio formal para a imprensa, cabe em um e-mail e recebeu mais de 500 recomendações espontâneas de leitura em apenas três dias. Entre os autores, Edney Souza –  o Interneyum dos blogueiros mais famosos do Brasil, é quem escreve sobre BLOG, Fábio Seixasum dos mais seguidos no Twitter @fabio_seixasfez o texto sobre MICRO-BLOGGING.

Baixar pelo 4Shared – DOWNLOAD (O arquivo está em PDF e tem 908 Kb).

Temas:

  • Noções: beta, capital social/Whuffie, teoria cauda longa, co-working, cultura do remix, cyberpunk, ética hacker, interatividade, metodologias ágeis, rede social, viral, Web 2.0
  • Práticas: blog, bridge-blogger, comunidades de prática, consumer-to-consumer (C2C), Creative Commons, fotografia digital, jogos eletrônicos, jornalismo colaborativo, micro-blogging, mobile, Open Space/Barcamp, peer-to-peer (P2P), podcast, propaganda on-line, wiki.
  • Desafios: brecha digital/exclusão digital, cyberbullying, ecologia digital, Lei Azeredo, Lei Eleitoral e internet, lixo eletrônico, pirataria, privacidade, spam, voluntariado em rede.

eBookO outro e-book “PARA ENTENDER AS MÍDIAS SOCIAIS” foi lançado no dia 25/04 e apresenta, antes de tudo, um conhecimento multifacetado e interdisciplinar para profissionais e pesquisadores que tenham as mídias sociais como foco. O download é gratuito e traz textos curtos que abordam temas transversais ao universo das redes de relacionamento, com o objetivo de estimular o debate e o compartilhamento de boas práticas. Além do material em pdf, é possível participar desse debate no Blog do ebook homônimo.

Baixar pelo 4Shared – DOWNLOAD (O arquivo está em PDF e tem 1,2 Mb).

Temas:

  • Bases, plataformas, linguagens, tecnologias e ambientes por onde as redes acontecem;
  • Mercado, comunicação e empresas;
  • Redação – o uso das mídias sociais pelo jornalismo;
  • Persona – dedicado à cultura pop e seus subprodutos;
  • Social – tocando em temas fundamentais para a sociedade que estão presentes, de modo significativo, nas redes de relacionamento.

É preciso multiplicar o debate, criar novas perspectivas e compartilhar as nossas experiências. #ficaadica

Welcome to e-readers!

@luricas

%d blogueiros gostam disto: