Arquivo do autor:svrabl

Recapitulando…porque recordar é convergir!

Olá pessoal!

Como cada vez mais trabalhamos em rede, nos tornarmos corresponsáveis na solução de problemas. Logo, precisamos responder a um chamado quase que prontamente oferecendo a nossa solução ou opinião, e quando não temos a resposta, reencaminhamos para outro essa tarefa.

Todo esse processo é amparado tecnologicamente por ferramentas que exemplificamos a seguir. Eu sei que muitas delas é bastante conhecida para o internauta, mas não custa recapitularmos, para lembrarmos que elas estão em nossa base de possibilidades (ainda mais quando todas podem ser utilizadas em uma mesma plataforma como o desktop, o tablet e o celular – Viva a convergência!)

 Email: permite uma discussão assíncrona entre no mínimo  duas pessoas. É uma das ferramentas de comunicação virtual mais conhecida e utilizada por todos os que navegam pela internet. Oferece velocidade na transmissão das mensagens, facilidade de armazenamento e de circulação de informações. Pode ser endereçado para destinatário(s) direto(s) e indireto(s), com mensagens com cópias ocultas e reencaminhadas. Há a possibilidade de se anexarem arquivos em diferentes formatos.

Exemplos: Gmail, Hotmail.

Chat (sala de bate-papo): permite a realização de conversas multiparticipativas síncronas, onde os participantes comunicam-se preferencialmente por texto. Há recursos adicionais de conversar por voz e através da webcam. Na Educação é usado em sessões de esclarecimento de dúvidas dos alunos, discussão de ideias, onde o professor estabelece um horário de atendimento.

Exemplos: Gtalk , MSN

Fórum: ferramenta assíncrona que atua como espaço de debates virtuais onde reúne opiniões de um grupo de pessoas. No ambiente é possível publicar, ler e comentar mensagens próprias e a de outros participantes. Toda discussão fica registrada e armazenada em uma página web.

Exemplos: Fórum UOL de Jogos, Forumeiros

Blog (weblog): página pessoal publicada na internet, diferente de uma página web porque se assemelha a um “diário pessoal”. Possui facilidade de atualização e construção de texto autoral, podendo publicar as opiniões de um ou mais autores, links interessantes, fotos e imagens, dentre outros. As ferramentas de criação e manutenção de blogs permitem a edição e postagem gratuita de textos na web sem qualquer conhecimento de linguagem de programação.

Exemplos: Blogger, WordPress

 Aqui eu faço um adendo: uma forma reduzida e particular de se comunicar através de mensagens rápidas e do cotidiano é o microblogging, que tanto pode ser uma funcionalidade dentro de uma rede social  (o Facebook , por exemplo, incluiu essa modalidade de comunicação bem depois de sua criação) ou um serviço próprio, como os casos do Twitter e do Identica, sendo que este último tem código aberto e pode ser reutilizado.

Wikis: páginas publicadas na internet em formato de hipertexto, cujo conteúdo pode ser revisado, modificado ou sofrer acréscimo por qualquer usuário, leigo ou especialista, conhecedor do mesmo assunto. Suas características mais marcantes são a colaboração e a dinamicidade. A filosofia das wikis é a colaboração espontânea e a construção livre e gradual de um repositório de conhecimento para domínio público.

Exemplos: Wikipedia, PBWorks

Videoconferência: incorpora as vantagens dos chats, somando o recurso de emissão e visualização de imagens dos interlocutores em vídeo. Se em outras ferramentas, mensagens faciais não-verbais não podiam ser valorizadas, através do uso de pequenas webcams os integrantes podem ver como se comportam fisicamente seu parceiros no diálogo, e vice-versa.

Exemplos: Skype,ooVo

 

Podcast: página, site ou local onde os arquivos de áudio estão disponibilizados para download. Os podcasts podem ser guardados no computador e/ou disponibilizados na internet, podendo ser vinculados a uma página ou blog. Podcasting caracteriza-se como o ato de gravar ou divulgar os arquivos na web. Podcaster: é o indivíduo que produz, grava e desenvolve arquivos no formato de áudio sem precisar ir ao site do produtor.

Ex.: Poderator, Podomatic, PodcastOne

Claro que as possibilidades aqui não são exaustivas, mas é sempre bom tê-las em mente em uma situação de emergência. Eu mesma lancei mão de várias delas para estudar e para compartilhar conteúdo.. e você qual delas mais utiliza no seu dia-a-dia?
Let´s Puzzle!
Anúncios

Eu prefiro ser um nó fraco…e você?

Prosseguindo em meu caminho pelas redes socias, apresento aqui um conceito muito discutido, o capital social.

Capital social são os recursos acumulados através das relações entre pessoas, e por isso há um vasto campo de discussão em ciências sociais. Difere-se do capital humano, que é o conhecimento acumulado individualmente, e que para se tornar social, precisa estar a serviço de toda comunidade, permitindo assim que seus membros usufruam e produzam um bem-estar coletivo (este é o ideal, vide o massacre norueguês totalmente sem sentido…). Assim, quando a sociedade se mobiliza em prol de sua participação cívica, acumula informações e conquistas, produzindo assim o capital social.

Este conceito é muito vivo dentro de um campo de estudo, denominado análise de redes sociais (ARS), cujos especialistas importantes  são Putnam, Granovetter, Wellman,entre outros, e no Brasil, uma grande estudiosa do tema é a Raquel Recuero, que oferece um panorama acessível de ler,  cheio de conteúdo de qualidade. Sou fãzoca dela.

Dentro da ARS existe um conceito importante para refletirmos…somos nós fracos na rede? Isto é, percebe-nos como uma ponte entre dois grupos interessantes, permitindo que o capital social trafegue entre eles? Somos disseminadores de novas informações dentro do grupo? Isso porque o capital social pode se reduzir ou aumentar, dependendo de como o grupo o sustenta….

Isso me lembra o Latour…a diferença entre fato e ficção é o que se faz dele. Conhecimento acumulado sem movimentação não produz porta-vozes ou pontos de passagem obrigatória, ou seja, nós fracos circulantes.

Assim a tecnologia nos auxilia a manter nossa rede híbrida de conexões fortes (super clusterizadas, ou a turma do bolinha) ou fracas (um pouco menos populares as vezes, mas coadjuvantes necessários).

Então pare e repare: quem são meus grupos, como eu contribuo, enfim, como anda o capital social que eu ajudo construir…. E como andam meus laços? Se fortes então há a intenção de proximidade e de criar conexões. Se fracos, as relações são esparsas, com trocas dispersas. Isso difere da minha posição de nó fraco, ou seja há várias formas de analisar a rede: pela quantidade de conexões, pela posição da pessoa na rede, pelo conjunto de caminhos até acessar uma outra pessoa, etc.

Podemos perceber o capital social  em nossa vida, em nosso grupo, avaliando as relações que estabelecemos, os valores e normas compartilhadas entre o grupo, a base de conhecimento produzida e o grau de confiança coletiva estabelecida. Até mesmo institucionalmente, com estruturas que produzem regras de interação.

O tema é vasto, e dá água na boca…..então deixo aqui um texto da Raquel, que detalha muito mais sobre o tema.

Let´s puzzle!

Tumblr. Apenas mais uma rede social ou uma nova maneira de compartilhar conhecimentos?

Por Rafael Rodrigo*

Atualmente nos deparamos com uma infinidade de Redes Sociais que tem como principal objetivo permitir que pessoas próximas ou distantes possam interagir trocar experiências, conhecimentos e etc. Todas as redes sociais possuem uma característica em comum, que é a grande aceitação por parte do publico jovem, apesar de que hoje em dia, o publico adulto e principalmente o idoso começa a aderir as mídias sociais com mais freqüência.  Poderíamos falar detalhadamente sobre cada uma delas, mas nos concentraremos em uma nova ferramenta Online de compartilhamento de Informações: O Tumblr.

                O Tumblr é uma plataforma de Blogs criada por David Karp e Marco Arment no ano de 2007 e que hoje ultrapassa a marca de 15 milhões de Blogs hospedados nos seus servidores. O Blog permite a criação e edição de Textos, a divulgação de fotos, de músicas, vídeos, citações e links, tudo de maneira compartilhada integrada com as outras principais redes sociais disponíveis (Facebook, Twitter, Youtube, Flickr e etc.)

                O Tumblr se diferencia do WordPress pela sua facilidade (ainda maior!) de edição e criação de um perfil publico. Os perfis criados no Tumblr possuem como endereço um nome escolhido pelo blogueiro, o nome da plataforma e o endereço web de hospedagem. Ex: http://artebraszil.tumblr.com/. O charme do Tumblr é a sua opção “Reblog”, que permite que qualquer pessoa compartilhe todos os itens que considerem relevante para os seus seguidores através do seu perfil.Exemplo: Você gostou da foto que um amigo postou no seu perfil público? Pressionando Reblog os seus amigos verão essa imagem e ela será automaticamente redirecionada para o seu perfil. Você ainda tem a possibilidade de adicionar comentários e apagar ou complementar algo que alguém que compartilhou aquela imagem antes de você o fez. Isso torna o serviço bem interessante, pois a pessoa que fez o upload daquela imagem inicialmente sempre terá o seu nome citado na imagem cada vez que ela for compartilhada.

Abaixo, um recorte da tela inicial do Tumblr e suas principais opções:

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/link/preguicoso-e-social/

O Tumblr possui algum valor educacional?

                Essa é uma pergunta que todas as pessoas que trabalham com educação se perguntam: Como utilizar essas ferramentas tão populares como um meio de auxiliar as atividades de sala de aula ? A resposta é simples: Conhecendo-a e usando a criatividade.

Vejamos algumas atividades que podem se desenvolvidas com o auxílio do Tumblr:

          1.       Criação de um perfil da turma onde serão postadas todas as atividades realizadas dentro de um ano letivo ou período pré-definido

          Essa opção permite acompanhar todas as atividades desenvolvidas durante o período e será de grande utilidade para turmas posteriores, que terão um vasto material para consulta. Além de começarem a se integrar definitivamente na era do compartilhamento de saber e conhecimentos.

2.        Pesquisa de material direcionado para aulas de história ou Geografia

Pelos mecanismos de busca do Tumblr, é possível pesquisar por Tags especificas como, por exemplo: “Arte Moderna” ou “Segunda Guerra mundial” ou “Cinema Nacional”. Através da pesquisa é possível encontrar opiniões bem interessantes sobre os assuntos citados, advindos de diversas pessoas com conhecimentos e idéias muito diferentes das nossas.

        3.        Compartilhamento de forma simples e rápida de um trabalho escolar usando texto, imagens, músicas e vídeos

Independente da matéria lecionada, o professor pode sugerir aos alunos agregarem os seus trabalhos na plataforma, utilizado todas as opções de multimídia disponíveis.

Poderíamos citar diversas possibilidades educacionais da ferramenta. Mas é importante ressaltar que o Tumblr não foi desenvolvido especificamente com objetivos pedagógicos. Cabe ao professor moderar, acompanhar e observar o andamento das atividades de forma que o objetivo principal não seja desviado.

Bem orientado, o Tumblr surge como mais uma ferramenta de auxilio a educação, de acordo com as novas demandas do mundo atual que sugere um saber construído a partir do compartilhamento de idéias e informações. E principalmente, da divulgação em massa das mesmas.

* Rafael é professor de TI, e especialista em Informática educativa pela UFRJ.

Bibliografia utilizada:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Tumblr

http://blogs.estadao.com.br/link/preguicoso-e-social/

http://artebraszil.tumblr.com/

Ser ou não ser…..twitteiro

Em primeiro lugar, muchíssimas gracias a minha querida Lu Ricas, pelo lindo convite de me incluir à la Alice das Maravilhas, nessa caixinha de supresas…para vocês que não me conhecem..#soumestrandaUFRJeadororedesociaisnaeducacao

Muito bem, no meio educacional ainda escuto muito especialistas feras que não entendem o Twitter, embora percebam o quão valoroso é se infiltrar nessa super rede de conteúdo. Acho que meu ídolo de apropriação desta ferramenta  é @plevy porque é um vanguardista sem fim, além de uma pessoa irrevogavelmente positiva..ele diz em Inteligencia Coletiva, que o mundo só existe, pela força do bem…uma vez que o mal é destruição….se predominasse não restaria nenhum robô para contar o fim da estória.

Então, retomo a visão hamletiana, que improviso aqui : ser ou não ser…. eis a questão: será mais fácil sofrer na alma pedradas e flechadas nas redes sociais, ou pegar em armas contra o mar de angústias e combatendo-o  dar-lhes fim..morrer dormir, só isso…

e então..o #tristefinal é muita gente interessante ao nosso redor que se inscreve no Twitter mas não contribui….um verdadeiro rehab: “tentam me empurrar pro twitter eu digo não não….”

Posso dizer que 70% do conteúdo da minha dissertação foi retirada de referências do Twitter. Usei como ferramenta de percepção (que inclusive foi comprada pelo Twitter), o Tweetdeck.

Um adendo: Nada contra o G+, somente acho que acabou se tornando uma cópia do Facebook. Percebo que suas vantagens são integrar com as outras ferramentas  “gloobgle” a estilo “canivete suiço” e a possibilidade de se comentar as mensagens de amigos, algo que não é tão de vanguarda, já existia em microblogs como o Plurk, por exemplo. Bem, confesso que ainda não me maravilhei não. A medida que encontrar algumas ideias “eureka” sobre o G+, compartilho com vocês. Até tem integrador entre o Twitter e o G+….(pessoal é rápido mesmo…)

Só de e-books coletei uma variedade no Twitter, saídos fresquinhos da “prensa virtual” (a maioria creative commons, um luxo)…

Fica a dica, para aqueles professores que não se embrenharam ainda no mundo do microblogs…mantenha uma lista de amigos (aqueles que nós seguimos, nossos ídolos) de 100 a 140 pessoas no máximo. Revise com frequência sua lista de  seguidores, porque de vez em quando surgem uns parasitas spams com fotos sensuais…delete-os.

Identifique um tema de que goste e que possa contribuir com “a sua cara, do seu jeito”… pois a reputação na rede é fundamental…nada de ser lurker (“arroz de festa” rsrsrs). Compartilhe menos seu dia-a-dia e mais informações ou dicas que são relevantes para você…e para usar em sala de aula, que tal o Edmodo?, uma rede social que você pode configurar sua turma e trabalhar super bem lá!

Bom, esse foi um empurrãozinho de nada, nunca é tarde para o nosso auto-conhecimento socio-digital.

É isso ai! Até a próxima

%d blogueiros gostam disto: